Declaração de consenso

Declaração Internacional de Consenso sobre o TDA/H

Em janeiro de 2002, um grupo de renomados especialistas de diferentes países, preocupados com a má informação que vem cercando o conhecimento sobre o TDA/H, decidiu assinar uma declaração conjunta com a intenção de desfazer uma série de mal entendidos que os meios de comunicação têm veiculado sem fundamento científico.
A lista foi encabeçada por Russell A. Barkley, professor de Psiquiatria e Neurologia da Universidade da Massachussetts Medical School, EUA, e contou com a assinatura de cerca de 80 respeitados profissionais.

Alguns pontos contidos na declaração:

1. Não existe dúvida que o TDA/H é um transtorno genuíno.

2. Existe suficiente evidência científica que esse transtorno compromete mecanismos físicos e psicológicos que são comuns a todas as pessoas.

3. As deficiências ocasionadas pelo TDA/H podem acarretar sérios prejuízos na vida da pessoa.

4. Existe comprovação que o TDA/H pode ser responsável por maior mortalidade, maior morbidade, prejuízos na vida social, no funcionamento familiar, nos estudos, e na aquisição de uma vida independente.

5. As pessoas com TDA/H estão mais sujeitas a acidentes.

6. A contribuição maior para a ocorrência desse transtorno se deve a fatores genéticos e neurológicos, sendo que o ambiente familiar contribui pouco para isso.

7. O TDA/H não é um problema benigno. Pode trazer problemas muito sérios.

8. Quem tem o transtorno apresenta uma chance maior de abandonar os estudos.

9. A pessoa com TDA/H está mais sujeita a ter um rendimento baixo no trabalho.

10. Gravidez precoce, doenças sexualmente transmissíveis, multas de trânsito, conflitos matrimoniais e depressão são mais comuns nessas pessoas.

11. Menos da metade das pessoas com esse transtorno estão em tratamento.